Série: África: “o berço da humanidade” – Parte 7/7 – Uma nova visão sobre o mundo

                   
0
459

Imagem relacionadaPor Denilson Alexandre Coêlho

O mundo, numa visão eurocêntrica, mostra o europeu como criador e os demais povos como receptores dos ideais europeus. Após o aprofundamento acadêmico relativo aos conhecimentos sobre a África, sua cultura, civilização e seus costumes, a ideia de uma Europa dominadora se transforma em uma Europa destruidora. A mudança de foco do norte para o sul é um dos destaques a serem dados aos novos estudos sobre o mundo.

O século XX apresentou uma nova maneira de conceber a história – a afrocentricidade. Esse pensamento é comum a muitos pensadores de grande relevância mundial como Ama Mazana, Abdias do Nascimento, Franz Fanon, dentre tantos outros expoentes do conhecimento afrocêntrico.

É importante perceber que a vivência africana deve ser vista de modo diferente da europeia e, principalmente, o estudo deve ser guiado por métodos e experiências também diferentes. Mas para que o conhecimento seja efetivo e direcionado de maneira adequada, a história deve tratar o africano não como objeto, mas como sujeito que determina seu próprio destino.

Qual o legado deixado pelo negro para a humanidade? É um legado de luta para a manutenção de sua identidade, um legado de muito trabalho e pouco reconhecimento, de muito sofrimento e pouca justiça, de muitos saques e roubos intelectuais e poucas formas de restituir tanta violência, contribuição filosófica, tecnológica, arquitetônica, civilizatória e religiosa, além de poucos agradecimentos. Portanto, o que se deve fazer agora é reconhecer o verdadeiro valor do negro, perceber que a cor da pele é um pequeno detalhe, insignificante, perto da grande contribuição que todas as cores unidas podem trazer para a humanidade.

Fica a dica!!!

Quer saber mais? Leia:

DEL PRIORE, Mary & VENANCIO, Renato Pinto. Ancestrais – uma introdução à história da África Atlântica. Rio de Janeiro: Elsevier. 2004.

LUZ, Marco Aurélio. Agadá – dinâmica da civilização africano-brasileira. Salvador: Ed.UFBa. 2003.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. Sankofa – Matrizes africanas da cultura brasileira. São Paulo: Selo Negro. 2008. Vol. 1, 2, 3 e 4.

DA COSTA E SILVA, Alberto. A enxada e a lança – a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2006.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado Brasileiro. Rio de Janeiro: Contraponto. 2008.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz – corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica. 2006.

LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ. 2002.

LOPES, Nei. Enciclopédia brasileira da diáspora africana. São Paulo: Selo Negro. 2004.

______. & CAMPOS, Carmen Lúcia. História e cultura africana e afro-brasileira. São Paulo: Ed. Barsa. 2009.

RAMOS, Artur. As culturas negras no novo mundo. São Paulo: Ed. Nacional. 1979.

SARAIVA, José Flávio Sombra. Formação da África contemporânea. São Paulo: Atual. 1987.

SOLAZZI, José Luís. A ordem do castigo no Brasil. São Paulo: Imaginário: Ed. UFAM. 2007.

BARROS, José D’Assunção. A construção social da cor. Petrópolis: Vozes. 2009.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: EdUSP. 1971.

BERNARDO, Teresinha. Negras, mulheres e mães: lembranças de Olga de Alaketu. São Paulo: Educ. Rio de Janeiro. Pallas. 2003.

CAROSO, Carlos & BACELAR, Jeferson (orgs). Faces da tradição afro-brasileira. Rio de janeiro. Pallas. Salvador: CEAO. 1999.

DECRAENE, Philippe. O Pan-africanismo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro. 1962.

DU BOIS, W.E.B. As almas da gente negra. Rio de Janeiro: Lacerda Ed. 1999.

FANON, Franz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed UFJF. 2005.

GOMES, Nilma Lino & GONÇALVES E SILVA, Petronilha Beatriz (orgs.). Experiências étnico-culturais para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica. 2006.

JOAQUIM, Maria Salete. O papel da liderança religiosa feminina na construção da identidade negra. Rio de Janeiro. Pallas. São Paulo: Educ. 2001.

MOURA, Carlos Eugenio Marcondes (org.). As Senhoras do Pássaro da Noite: escritos sobre a religião dos Orixás V. São Paulo: EdUSP/Axis Mundi. 1994.

Deixe aqui um breve comentário.