A marcha dos dezoito do Forte de Copacabana

                   
0
876

Resultado de imagem para os dezoito do Forte de CopacabanaPor Denilson Alexandre Coêlho

A marcha dos Dezoito do Forte faz parte dos primeiros movimentos tenentistas. Correspondeu ao desfecho do levante no Forte de Copacabana ocorrido no dia 5 de julho de 1922, o auge de uma sequência de vários outros movimentos revolucionários contra o governo. Dentro do Forte de Copacabana, os rebeldes centraram fogos em direção a alvos estratégicos para desestabilizar os inimigos da revolução. Entretanto, foram contra-atacados com um grande poder de fogo vindo das forças governistas. Cercados e sem chance de se defenderem, solicitaram o fim do combate com uma única condição: que pudessem receber ordens diretas do Marechal Hermes da Fonseca. Tal solicitação não foi aceita e o combate continuou.

Hermes da Fonseca foi presidente do Brasil de 1910 a 1914 e era forte opositor da política oligárquica que dominava o país. Foi preso por ordem do então presidente da República Epitácio Pessoa e com isso, alimentando ainda mais a revolta dos tenentes. Outro ponto importante é que o Capitão Euclides Hermes da Fonseca, filho do Marechal Hermes da Fonseca era o comandante dos revoltosos do forte. Por isso a solicitação de receber ordens somente do grande Marechal.

Em 6 de julho de 1922 o combate continuou de forma mais intensa e os revoltosos ficaram acuados e sem possibilidades de combaterem. Muitos desertaram e apenas 18 homens saíram do forte para lutar contra as tropas do Governo. Esses bravos guerreiros marcharam sobre a avenida Atlântica em direção à tropa inimiga. Eram 18 contra quase 3000 militares das tropas governistas. Ao chegarem na altura do posto 3 da praia de Copacabana foram abatidos e derrotados de forma implacável (Quando você for ao posto 3 de Copacabana, antes de tomar um banho nas águas do mar, reflita sobre essa incrível batalha) Desta heróica marcha, somente dois sobreviveram: Siqueira Campos e Eduardo Gomes, ambos se tornaram figuras importantes e influentes para o movimento tenentista e para o Brasil.

Siqueira Campos ainda participou mais tarde da lendária Coluna Prestes e veio a falecer precocemente em um acidente de avião no ano de 1930, antes de ver as oligarquias dominantes perderem espaço para Getúlio Vargas.

Eduardo Gomes participou do Levante de São Paulo em 1924 e tentou participar da Coluna Prestes, mas foi preso antes de se encontrar com os revoltosos. Em 1984 foi declarado Patrono da Aeronáutica, pois, apesar de sua carreira inicial ter sido no Exército, participou ativamente da Formação da Força Aérea Brasileira.

Fica a dica!!!!

Quer saber mais? Leia:

CARVALHO, J. M. Os bestializados. São Paulo. Companhia das letras, 1987.

______________. Cidadania no Brasil. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2005.

______________. A formação das Almas. São Paulo. Companhia das Letras: São Paulo, 1990.

PINHEIRO, P. S. Historia Geral da Civilização Brasileira, Tomo III, Vol. 9. São Paulo, Bertrand Brasil. 2006.

RÉMOND, RÉNE. Por uma história política. São Paulo: Editora FGV, 2009.

RIOUX, JP; Sirinelli JF. Para uma história cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

SEVCENKO, N. História da vida privada no Brasil V. III. República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CARVALHO, Maria Alice Rezende de (org.). República no Catete. Rio de Janeiro: Museu da República, 2001.

Deixe aqui um breve comentário.